18 outubro 2010

629 - Linha do Terror

629 - LINHA DO TERROR
(Paulo Piercing / Daniel Lemos / Gabriel Jonard)
Diariamente vivo a vida, cumprindo minha missão
Terminar minha faculdade, tornar-me um cidadão
Boto a carteira no bolso, mochila nas costas, o tel na cintura
O walkman tá ligado, livro separado para uma leitura
Um beijo na mãe, já tô de partida, o mesmo trajeto, o mesmo caminho
Passo-a-passo vou seguindo o meu destino de mansinho
Meia hora esperando, a ansiedade se desenha
629 - Irajá - Saens Peña
Passei na roleta, buzun tava cheio, sentei atrás do cobrador
Local frequentado geralmente por maconheiro e cheirador
Fiquei no sapato, olhei para o lado, curtindo um som no walkman
Tô sempre ligado nesse sobe-desce pra não sobrar pra mim também
Foi quando de repente uma galera entrou
Por debaixo da roleta todo mundo passou
E o meu cérebro, pensando, logo percebeu
Que o único filho da puta que pagou passagem aqui fui eu

629 - Sempre esteja esperto
629 - Siga o caminho certo
629 - Aqui ao seu dispor
629 - Linha do terror

No Carioca Shopping subiu uma penca de pivetes
Pedindo ajuda aos passageiros com uma caixa de chicletes
Sem contar com a galera que saltam no Juramento
Que meteram o Carrefour pra garantirem seu sustento
E mais para frente o bonde dos 171
É aleijado, cego, surdo-mudo, enganam qualquer um
Adicionados com a galera do um real
É bala, drops, picolé, enganação geral
De repente sobe a madame com uma nota de dez
E o cobrador muito bolado, só tinha cinco merréis
Pra dar de troco, pois o dinheiro tava depositado
Dentro do cofre, embaixo do banco, pra não ser assaltado
O cobrador já acostumado com a rotina do buzão
Não vai dar mole pros malandros que assaltam a condução
E falou para a madame: - Dá um pulo aí, mulher!!!
Só não quero que esqueça de deixar o meu café

629 - É melhor sair da frente
629 - Na contramão sempre tem gente
629 - Testando seu temor
629 - Linha do terror

O itinerário ia seguindo, um verdadeiro mar de lama
Estrada Velha da Pavuna, Itararé, Suburbana
A porta se abriu e uma mina louca entrou
E botou trinta centavos na mão do cobrador
E o cara bolado: - Tá faltando aqui, filé!
- Ô tio, se liga, esse aí é o seu café
E por baixo da roleta a mina passou
E logo do meu lado a alucinada se sentou
Com o pé todo preto, olho remelento, e cara de drogada
A cada curva que o ônibus dava ela caia toda largada
O cobrador assustado, olhou para frente, querendo alertar
A PM tá na pista, 629, é certo parar
A mina carregada com 50 gramas, ficou nervosinha
Pegou aquele bagulho e escondeu dentro da calcinha
Os home entraram, eu fui resvistado e quase toda aquela gente
Menos a mina, que ficou parada fazendo ar de inocente

629 - Se der mole você roda
629 - Essa linha é foda
629 - Amedrontador
629 - Linha do terror

Os home foram embora, levando um suspeito
E a mina gargalhava, falou que tinha conceito
Mulher não se revista, mas se ele estiver cismado
Eu falo que o bagulho é absorvente menstruado
Buraco do Lacerda, agora vem o pior
Metade dos passageiros desceram para comprar pó
Passamos pelo Jacaré, estamos na mangueira
A barra tá pesada, aqui tem muita quebradeira
Andando voado, foi apedrejado, pois deram sinal, ele não parou
Ônibus parado, foi assaltado e a revolta começou
Todos para fora, motor tá quebrado, vai ter que pegar outro buzão
Já tô atrasado, fodido e mal pago, tem que encarar essa opressão
O outro chegou, entrei pela frente, pra faculdade eu vou seguir
Puxei a cigarra, soltei do buzun, graças a Deus, sobrevivi
Acabou a aula, são dez horas, desci a rampa com o povo
Pro ponto de ônibus do maldito e começar tudo de novo

629 - Viagem suicida
629 - Valorize sua vida
629 - Orando ao Senhor
629 - Linha do terror

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Relacionadas

Related Posts with Thumbnails